Saiba tudo sobre a hanseníase: sintomas, diagnóstico e prevenção

Nesta semana comemoramos o Dia Nacional do Combate e Prevenção da Hanseníase. A data tem como objetivo chamar a atenção da população e das autoridades de saúde para a importância da prevenção e do tratamento adequado dessa doença. Por isso, não poderíamos deixar de falar tudo sobre a hanseníase. 

Aliás, você sabia que, no passado, essa doença era conhecida como “lepra”? No entanto, esse termo deixou de ser usado aqui no Brasil na década de 1970. 

Essa enfermidade afeta a capacidade da pele de sentir dor, frio e calor. Além disso, lesa os nervos dos membros inferiores e superiores e deixa deformidades no corpo do portador. Esses aspectos eram motivos para preconceito por parte da população. Então, como uma forma de amenizá-lo, o termo “lepra” foi proibido pelo Ministério da Saúde.

Atualmente, o Brasil ocupa o 2º lugar entre os países que mais registram novos casos da doença. Vale lembrar, porém, que quando descoberta ainda nos primeiros estágios, a hanseníase tem cura total. O tratamento pode variar de 6 meses (em pacientes que têm a forma mais amena da doença) até 12 (em pacientes que têm o tipo mais grave).

Continue lendo e veja tudo o que o Laboratório Vozza preparou para você sobre esse assunto. 

O que é a hanseníase?

A hanseníase é uma doença crônica e transmissível causada por uma bactéria chamada Mycobacterium Leprae. A princípio, essa doença afeta a pele, mas também pode infectar olhos e nervos periféricos, causando lesões neurais e, eventualmente, acometendo outros órgãos. 

O período de incubação, ou seja, o tempo que os sinais e sintomas levam para se manifestar, é longo, podendo durar de 2 a 7 anos.

De forma geral, a hanseníase pode se apresentar em 4 formas clínicas: indeterminada, borderline ou dimorfa, tuberculoide e virchowiana. Já em termos terapêuticos, são considerados apenas 2 tipos: paucibacilar (com poucos bacilos) e multibacilar (com muitos bacilos). 

Além disso, tanto homens quanto mulheres, de qualquer idade, podem contrair a infecção. Mas para isso acontecer é preciso um longo período de exposição à bactéria, levando em conta que apenas uma minoria da população infectada chega realmente a adoecer.

Como a hanseníase é transmitida?

Se você deseja conhecer tudo sobre a hanseníase, é fundamental saber como ela é transmitida, não é?

Resumidamente, a transmissão ocorre quando alguém que está com a hanseníase, na forma infectante da doença e sem tratamento, elimina os bacilos no ambiente e acaba infectando outras pessoas que estão mais suscetíveis. Os bacilos podem ser expelidos através das vias aéreas superiores e pelo contato próximo e prolongado do infectado.

Os doentes com poucos bacilos – ou seja, os paucibacilares (PB) – não chegam a ser considerados uma fonte de transmissão da doença. Já as pessoas com a forma multibacilar (MB) são mantidas como principal fonte de infecção enquanto não estiverem em tratamento.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico para essa doença é clínico e epidemiológico, realizado por meio de um exame geral, também dermatoneurológico. Esses meios são fundamentais para identificar lesões ou áreas de pele com mudança de sensibilidade e/ou comprometimento de nervos periféricos, como alterações sensitivas e/ou motoras e/ou autonômicas. 

Geralmente, as pessoas que têm hanseníase costumam apresentar manchas dormentes na pele, dores, câimbras, formigamento, dormência e fraqueza nas mãos e nos pés. 

Por outro lado, em crianças o diagnóstico exige uma avaliação ainda mais cuidadosa devido à dificuldade de aplicação e interpretação dos testes de sensibilidade. Neste caso, é recomendado utilizar o Protocolo Complementar de Investigação Diagnóstica de Casos de hanseníase em Menos de 15 Anos. 

Como é feito o tratamento da hanseníase?

Em primeiro lugar, a informação sobre a manifestação clínica da hanseníase em cada pessoa é fundamental para determinar a classificação operacional da doença, ou seja, se ela é paubacilar ou multibacilar. Só assim é possível indicar qual é o esquema de tratamento mais adequado para cada caso. 

Esse tratamento é realizado com a poliquimioterapia (PQT), uma associação de antimicrobianos recomendada pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esta é capaz de diminuir a resistência medicamentosa do bacilo, que ocorre sempre que é utilizado apenas um medicamento. Logo, a cura da doença pode acabar impossibilitada.

É bom ressaltar, porém, que os medicamentos são altamente seguros e eficazes. O paciente toma a primeira dose mensal sempre acompanhado por um profissional de saúde. As demais, ele pode fazer sua automedicação. 

Assim que o tratamento começa, a doença já deixa de ser transmitida. Mas é importante lembrar que todos os amigos, colegas de trabalho e pessoas próximas devem ser examinadas e oferecer apoio ao paciente. Esse cuidado faz toda a diferença!

Agora, quando se trata de crianças com hanseníase, as doses dos medicamentos são ajustadas levando em consideração a idade e o peso. Já nos casos de pessoas com intolerância a um dos medicamentos, um esquema substitutivo vai ser indicado. 

E saber tudo sobre a hanseníase inclui também a cura. Por isso, é importante que você entenda que a cura acontece somente depois que o paciente termina de tomar todas as doses que foram recomendadas para o seu tratamento. 

Como prevenir a hanseníase?

Para você saber tudo sobre a hanseníase, veja como é feita a prevenção dessa doença.

De acordo com o Ministério da Saúde, o diagnóstico precoce, o tratamento adequado e a investigação de pessoas próximas e/ou que estiveram em contato com o paciente são as principais formas de prevenção. 

Como prevenir as deficiências e incapacidades físicas que a hanseníase causa?

Para esses casos, a prevenção de deficiências e incapacidades deve ser um conjunto com o tratamento de poliquimioterapia (PQT). Aliás, é recomendada para todos os pacientes. 

No entanto, a avaliação neurológica deve ser realizada em situações como: 

  • Assim que o tratamento for começado
  • A cada 3 meses durante o tratamento, caso o paciente não tenha queixas
  • Sempre que o paciente relatar: dor em trajeto de nervos, fraqueza muscular, início ou aumento de queixas de queimação ou desconforto
  • Na alta do tratamento
  • Durante o acompanhamento pós-operatório de descompressão neural
  • No controle periódico de pacientes que fazem uso de corticoides

Laboratório Vozza: prevenção e conscientização para melhor cuidar da sua saúde

O Laboratório Vozza apoia a prevenção e a conscientização sobre a hanseníase. 

Para nós, a informação é tudo. Por isso, previna-se e cuide da sua saúde. Ela merece sua atenção. 

Como funciona o exame para detectar a dengue?

Os casos de dengue já se tornaram um dos grandes problemas de saúde pública em todo o país. Principalmente no verão, eles tendem a aumentar consideravelmente. Pensando nisso, o Laboratório Vozza preparou um conteúdo completo para te ajudar a entender tudo sobre essa infecção, dos sintomas ao exame para detectar a dengue.

Continue lendo e confira nossas dicas!

Antes, o que é a dengue?

De acordo com o Ministério da Saúde, a dengue é uma doença febril grave causada por um arbovírus. Este é um tipo de vírus transmitido por picadas de insetos, em especial, dos mosquitos.

No caso da dengue, o mosquito transmissor é o Aedes aegypti, que precisa de água parada para se reproduzir.

Além disso, existem 4 tipos de vírus transmissores: sorotipos 1, 2, 3 e 4. Dessa forma, uma pessoa pode ser infectada até 4 vezes. Após a infecção por um deles, porém, o corpo fica para sempre imune contra o sorotipo que o atacou.

Como ocorre a transmissão?

A transmissão da dengue ocorre durante a picada do mosquito fêmea do Aedes aegypti infectado com um dos sorotipos (1, 2, 3 ou 4).

Aliás, também pode acontecer o processo contrário, ou seja, o vírus também pode ser passado de humanos para mosquitos. Isso acontece quando um mosquito não contaminado pica uma pessoa com dengue.

Quais são os sintomas da doença?

Antes de saber como é feito o exame para detectar a dengue, é preciso entender quais são os sintomas mais comuns dessa doença, não é mesmo? Veja abaixo alguns deles:

  • Febre alta, acima de 38.5º C
  • Dores musculares intensas
  • Dor ao movimentar os olhos
  • Mal-estar
  • Falta de apetite
  • Dor de cabeça
  • Manchas vermelhas pelo corpo

É importante lembrar que existem casos em que a dengue não apresenta sinais. Por outro lado, em outros, ela pode vir acompanhada de sintomas leves ou graves, como os que citamos acima.

Normalmente, o primeiro sinal da dengue é a febre alta, que pode variar entre 39° e 40° C e costuma durar de 2 a 7 dias. Ela ainda pode estar acompanhada de dores de cabeça, atrás dos olhos, no corpo e articulações, fraqueza, erupção e coceira na pele. Perda de peso, náuseas e vômitos também costumam ser comuns.

No entanto, na fase febril, pode ser difícil diferenciá-la de outras doenças. A forma mais grave da doença costuma incluir dor abdominal intensa e contínua, vômitos e sangramento de mucosas.

Por isso, ao apresentar esses sintomas, procure imediatamente um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequados.

Como é efeito o diagnóstico da dengue?

Entre os principais tipos de exame para detectar a dengue estão a sorologia, a biologia molecular e o isolamento viral, além dos testes rápidos (usados para triagem).

No Laboratório Vozza você pode realizar um desses exames. Veja mais informações aqui!

Como é feito o tratamento?

Ainda não existe um tratamento para a dengue, apenas algumas medidas que podem ajudar a aliviar os sintomas. Olha só algumas dicas:

  • Faça repouso
  • Mantenha-se hidratado. Este processo pode ser por via oral ou por via intravenosa (com o uso do soro)

E não se esqueça: não tome medicamentos sem antes conversar com o seu médico de confiança.

Há cura para a dengue?

Na maioria dos casos, a dengue tem cura espontânea depois de 10 dias. Entretanto, o grande perigo dessa infecção é o choque hemorrágico, no qual a pessoa pode perder cerca de 1 litro de sangue. Assim, o coração perde a capacidade de bombear o sangue de que o corpo precisa.

Isso pode causar problemas graves em outros órgãos e colocar a vida da pessoa em risco. Por isso, todo cuidado é muito importante!

Dicas para prevenir a dengue

Como dissemos acima, a dengue é uma doença que costuma aumentar muito durante o verão, devido ao clima favorável à multiplicação do mosquito Aedes aegypti em ambientes úmidos e quentes. Por isso:

  • Não deixe água parada em pneus, vasos de plantas, garrafas pets, etc
  • Mantenha fechadas a caixa d’água e a piscina
  • Deixe a tampa do vaso sanitário sempre fechada, principalmente naqueles banheiros que são pouco usados
  • Lave e troque a água dos bebedouros de aves e animais

Além dessas dicas, você também pode usar repelentes, inseticidas e telas de proteção nas janelas.

Para quem tem bebês ou pessoas acamadas em casa, os mosquiteiros podem ser uma ótima opção.

Cuide-se com o Laboratório Vozza

Agora que você já sabe tudo sobre esse assunto, dos cuidados até como é feito o exame para detectar a dengue, converse com seus amigos e familiares sobre essa doença e a importância de cada um fazer a sua parte para combatê-la.

Além disso, conte com o Vozza para realizar os exames para detectar a dengue e cuidar da sua saúde.

 

Exame toxicológico para motoristas: tudo que você precisa saber sobre ele

O exame toxicológico para motoristas passou a ser obrigatório em 2015, o que gerou muitas dúvidas e discussões na área do trânsito brasileiro. Mas você sabe realmente o que é esse exame?

Para esclarecer todas as dúvidas, reunimos neste texto algumas dicas para você ficar por dentro de tudo que precisa saber sobre esse exame. Afinal, o Laboratório Vozza é um dos locais credenciados para realizar esse tipo de análise. Acompanhe!

Afinal, para que serve o exame toxicológico para motoristas?

O exame toxicológico para motoristas passou a ser obrigatório para condutores das categorias C, D e E. Assim, ele é necessário tanto para quem pretende se habilitar em uma dessas categorias quanto para condutores já habilitados que precisam renovar o documento.

Esse exame tem como função detectar o consumo de certas substâncias. Entre elas estão anfetamina, maconha, cocaína, morfina, heroína e ecstasy. Além disso, essa análise também consegue identificar o consumo de até 90 dias retroativos à data do exame, que é feito em um dos laboratórios credenciados pelo DETRAN, como o Laboratório Vozza.

Para realizar o exame toxicológico é bem simples. Veja só:

  1. Encontre um dos laboratórios credenciados pelo DETRAN mais próximo de você;
  2. Vá até o local escolhido e realize a coleta das amostras de cabelo, pelo do corpo ou raspas de unha. A coleta não é invasiva, contagiosa nem causa dor;
  3. Aguarde a emissão do resultado pelo laboratório da sua escolha;
  4. O exame toxicológico para motoristas não exige nenhum tipo de preparação.Por isso, após o pagamento você pode seguir para a coleta sem agendamento prévio.

E atenção: caso o motorista, por alguma necessidade, utilize remédio com substâncias proibidas no Exame Toxicológico, deve enviar para o e-mail prescricoesmedicas@labet.com.br a prescrição médica para justificar seu resultado positivo como medicamentoso. É indicado que o e-mail seja enviado para a coleta de amostra antes mesmo da liberação do laudo.

Como é feito o exame toxicológico para motoristas?

Você sabia que essa análise também pode ser chamada de exame toxicológico de larga janela de detecção? Isso porque ela permite identificar de quais substâncias a pessoa fez uso ou com quais entrou em contato nos últimos 3 ou 6 meses.

Além disso, o exame toxicológico para motoristas pode ser feito com vários tipos de materiais biológicos. Entre eles, podemos citar sangue, urina, saliva, cabelo ou pelos. No laboratório, um profissional capacitado para a atividade realiza a coleta do material da pessoa e envia para a análise.

Cabelo e pelos são os materiais que melhor fornecem informações relacionadas ao contato com as substâncias tóxicas. Isso porque a droga, quando consumida, se espalha rapidamente pelo sangue e acaba por nutrir os bulbos capilares.

Qual é o prazo de validade do exame toxicológico para motoristas?

Para quem deseja renovar a CNH, o exame toxicológico possui até 90 dias de validade a partir da realização da coleta. No estado de São Paulo, a LABET tem o prazo de 3 dias para análise, válido somente após a chegada da amostra em laboratório.

E para motoristas profissionais, as regras são as mesmas?

O exame para motoristas profissionais se tornou obrigatório na admissão e na demissão de condutores nas categorias C, D e E. Portanto, é necessário que a pessoa passe pelo exame toxicológico nas seguintes situações:

  1. Quando estiver em processo de habilitação da CNH para as categorias C, D e E;
  2. Quando tiver passado metade do tempo de validade da CNH;
  3. Quando o motorista profissional for admitido pela empresa;
  4. Quando o motorista profissional for desligado do trabalho atual.

Ainda tem dúvidas? Fale com o Laboratório Vozza para manter seus exames em dia

Agora que você sabe quando e por que o exame toxicológico para motoristas deve ser realizado, conte com o Laboratório Vozza para manter seus exames em dia. Afinal, quando o assunto é saúde, nós estamos sempre prontos para melhor atendê-lo.

Sintomas da AIDS: conheça tudo sobre essa doença

Sintomas da AIDS: conheça tudo sobre essa doença

O dia 1 de dezembro foi dedicado especialmente ao Dia Mundial da Luta Contra a AIDS. Há 31 anos, a data foi instituída pela Assembleia Geral da ONU e pela Organização Mundial de Saúde, após 5 anos da descoberta do vírus causador da AIDS, o HIV. Porém, um assunto que ainda gera muitas dúvidas é: quais são os sintomas da AIDS?

Afinal, como ela se manifesta e como identificar os primeiros sinais dessa doença tão grave? Por isso, o Laboratório Vozza separou um conteúdo completo para você entender mais e tirar todas as suas dúvidas.

Acompanhe.

Antes de tudo: o que é a AIDS?

Primeiramente, antes de saber quais são os sintomas da AIDS, é muito importante saber o que é essa doença.

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS, na sigla em inglês) é uma doença infectocontagiosa causada pelo HIV. Ainda não existe uma cura para ela, embora o tratamento tenha evoluído bastante ao longo dos anos.

Por sua vez, o HIV, Vírus da Imunodeficiência Humana, invade e destrói as células de defesa do organismo, responsáveis por organizar e comandar a resposta imunológica do corpo diante de possíveis agressores.

Quando não há mais essa proteção, o organismo acaba ficando vulnerável a outras doenças oportunistas, como herpes, tuberculose, pneumonia, entre outras.

Porém, é importante ressaltar que nem todo indivíduo portador do vírus HIV desenvolve a AIDS. Há pessoas portadoras do vírus, chamadas de soropositivas, que vivem sem apresentar sintomas nem desenvolver a doença. No entanto, elas podem transmitir o vírus a outras pessoas, e, portanto, também devem ter acompanhamento médico.

Como a AIDS é transmitida?

A AIDS pode ser transmitida através de relações sexuais sem proteção, compartilhamento de materiais contaminados, procedimentos hospitalares que não observam recomendações técnicas contra a infecção, transmissão pelo parto (quando os cuidados médicos não são respeitados) e pelo aleitamento materno por mãe infectada.

Por isso, é imprescindível usar preservativos durante as relações sexuais e também fazer acompanhamento médico para evitar transmissões de mães para filhos.

Quais são os sintomas da AIDS?

Antes, vamos entender como funciona o contágio pela AIDS.

Logo que ocorre a infecção pelo vírus HIV, o sistema imunológico começa a ser atacado.

Na primeira fase, conhecida como infecção aguda, ocorre a incubação do vírus (tempo da exposição ao vírus até surgirem os primeiros sintomas). Esse período varia de 3 a 6 semanas. Dessa forma, os primeiros sintomas podem ser confundidos com o de outras doenças, por exemplo, uma gripe, como febre e mal-estar.

Já a segunda fase é marcada pela interação entre as células de defesa e as mutações dos vírus. Porém, esse quadro ainda não é suficiente para enfraquecer o organismo, de forma que permita o contágio por outras doenças. Esse período pode durar muitos anos e é chamado de assintomático.

Entretanto, devido ao frequente ataque, as células de defesa começam a se tornar menos eficientes, até que são destruídas. A partir desse momento, o organismo começa a enfraquecer e ficar vulnerável a infecções comuns. A fase sintomática inicial é caracterizada pela redução dos linfócitos (glóbulos brancos do sistema imunológico). Nesta etapa, os sintomas incluem febre, diarreia, suores noturnos e emagrecimento.

Além disso, a baixa imunidade permite o aparecimento de doenças oportunistas. É assim que se chega ao estágio mais avançado da doença: a AIDS. E quem chega até ela por não saber sobre a infecção ou por não seguir o tratamento adequado pode sofrer com hepatites virais, tuberculoses, entre outras doenças.

Como é feito o diagnóstico?

O diagnóstico da AIDS é feito através de exames gratuitos, oferecidos pelas Unidades Básicas de Saúde ou nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTA).

O teste é rápido e detecta os anticorpos contra o HIV. O exame é realizado em menos de 30 minutos e precisa, posteriormente, de um outro exame confirmatório, que pode ser realizado na mesma unidade de saúde.

Por isso, ao notar algum dos sintomas da AIDS ou ter alguma suspeita, consulte imediatamente um profissional.

Como é o tratamento?

Como dissemos acima, ainda não há cura para a AIDS. Porém, o tratamento já está bastante avançado e permite que os portadores do HIV levem uma vida com baixos riscos de morte em razão da doença.

O tratamento é feito com medicamentos antirretrovirais, que bloqueiam a multiplicação do vírus no organismo, atuando para auxiliar o sistema imunológico.

Esse tratamento é totalmente gratuito e é oferecido nas unidades de saúde de todo o país.

Exames laboratoriais: conte com Laboratório Vozza

E agora que você já conhece mais sobre os sintomas da AIDS e o que é essa doença, conte com o Laboratório Vozza para manter seus exames sempre em dia. Afinal, quando o assunto é saúde, ele deve ser levado a sério.

O que é PSA e por que ele ajuda no diagnóstico do câncer de próstata?

Em um mês dedicado especialmente ao Novembro Azul, não poderíamos deixar de falar sobre um dos cânceres que mais acometem os homens: o de próstata. Além do exame de toque retal, existe também outro exame, que é capaz de diagnosticar a doença ainda no início. Saiba o que é PSA e qual é sua importância para a saúde masculina.

Veja as dicas que o laboratório Vozza preparou para você.

O que é o câncer de próstata?

Antes de saber o que é PSA, entenda primeiro sobre o que é o câncer de próstata.

Essa doença é considerada o tumor mais comum entre os homens acima dos 50 anos. Isso porque, entre os fatores de risco, estão idade avançada, histórico familiar, fatores hormonais e ambientais e hábitos alimentares inadequados. Dessa forma, uma dieta rica em gorduras e pobre em verduras, vegetais e frutas, sedentarismo e excesso de peso podem contribuir para o surgimento dessa doença.

Quando está no começo, o câncer de próstata não costuma apresentar sintomas. Porém, quando atinge estágios mais avançados, pode causar alguns problemas. Por exemplo, dificuldade para urinar, sangue na urina, necessidade de fazer xixi mais vezes durante o dia ou à noite e diminuição dos jatos de urina.

Logo, antes de saber o que é PSA, é importante que os homens adotem uma rotina de cuidados com a saúde que possa prevenir o aparecimento desse tipo de tumor. Alguns deles são uma alimentação saudável, atividades físicas, e claro, check-ups em dia.

Mas afinal, o que é PSA?

PSA é uma sigla para Prostate-Specific Antigens, em português, antígenos específicos da próstata. Eles são uma proteína produzida pelo próprio tecido prostático.

Quando há um aumento considerável da próstata, os níveis dessa substância aumentam e são detectados no exame. A questão é que a próstata naturalmente aumenta com o passar dos anos (a chamada hiperplasia benigna da próstata), além de também sofrer alterações em casos de infecção ou inflamação, ou ainda com o surgimento do câncer.

Dessa maneira, o aumento do PSA, caso detectado pelo exame de sangue, pode indicar um caso de câncer de próstata. É por isso que ele é o primeiro passo no processo de diagnóstico dessa doença.

Segundo o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), um nível de PSA considerado saudável para os homens deve ser inferior a 4ng/ml.

Para que serve o exame de PSA?

A análise do PSA é um exame de sangue, pedido logo no começo das investigações médicas de câncer de próstata. Seu objetivo primário é diagnosticar o surgimento da doença, principalmente em homens que não apresentam sintomas claros. No entanto, também pode detectar outros problemas de saúde, como a hiperplasia prostática benigna (aumento da próstata) e a prostatite.

Como é feito o exame?

Para a realização desse exame, uma amostra de sangue é colhida e enviada para um laboratório de confiança para análise. De uma forma geral, os médicos costumam pedir a medição do PSA total. Porém, em alguns casos, é solicitada também a quantidade de PSA livre.

O resultado

Além de saber o que é o PSA, também é importante saber entender o resultado. Assim, será possível obter um diagnóstico preciso sobre o câncer de próstata.

Segundo o Ministério da Saúde e o Instituto Nacional de Câncer (INCA), um PSA total é normal quando está em até 4 ng/ml. Caso esteja acima de 10 ng/ml, o médico pode solicitar uma biópsia para um diagnóstico mais preciso do câncer de próstata.

Não se esqueça de que a análise completa desse exame deve ser feita somente por um profissional de saúde, que poderá avaliar especificamente seu caso. Isso porque a taxa de PSA costuma aumentar naturalmente com a idade. Além disso, alguns casos de câncer podem nem apresentar alterações significativas nos níveis dessa substância. Por isso, a interpretação dele deve ser feita de forma individualizada.

Conte com o Laboratório Vozza para cuidar da sua saúde

Agora que você já sabe o que é o PSA e o quão importante é este exame para o diagnóstico do câncer de próstata, conte com o Laboratório Vozza para manter seus exames em dia e cuidar da sua saúde como ela merece: com atenção.

Quais são os sintomas do colesterol alto? Entenda e saiba como se cuidar

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, o colesterol também é importante para o bom funcionamento do organismo. Porém, o grande problema está no excesso dessa substância, que aumenta o risco de doenças cardiovasculares. Então, continue lendo este texto e aprenda a identificar os sintomas do colesterol alto e a preveni-lo.

Veja só as dicas do Laboratório Vozza!

O que é o colesterol?

Antes de saber quais são os sintomas do colesterol alto, vamos entender melhor sobre essa substância e como ela age no organismo.

Podemos dizer que o colesterol é uma gordura produzida pelo fígado, benéfica para o corpo. É ele que compõe as membranas celulares e é responsável pela produção de bile (fluído que ajuda na digestão), hormônios sexuais, vitamina D, testosterona e cortisol.

Entretanto, assim como outras substâncias, seu excesso faz mal. Isso porque pode provocar o endurecimento e o espessamento das artérias, alterando o fluxo sanguíneo e possibilitando seu entupimento por coágulos.

É por esta razão que o colesterol pode contribuir para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares como AVC, infarto, embolias, entre outras.

Quais são os sintomas do colesterol alto?

 O colesterol alto é uma doença silenciosa. Ou seja, na maioria das vezes ele acaba avançando sem que a pessoa perceba.

Isso significa que é muito difícil identificar os sintomas do colesterol alto. No entanto, em algumas situações, o que pode acontecer é a formação de nódulos nos tendões (xantomas) e manchas amarelas em volta dos olhos (xantelasmas). Eles são causados devido à formação das placas de gordura nas artérias, que já são uma decorrência do excesso de colesterol e indicam que essa condição está em um estágio muito avançado.

O colesterol alto também pode atingir as artérias coronarianas, por exemplo. Nesse caso, ele pode ocasionar um infarto, cujos sintomas são, na maioria das vezes, dores no peito, falta de ar, sudorese e palpitações.

Dessa forma, justamente por não ser possível identificar os sintomas do colesterol alto, é imprescindível prestar ainda mais atenção nas medidas de prevenção.

Quais são as principais causas e como preveni-las?

Os altos níveis de colesterol podem ser causados por muitos fatores. Entre eles estão a predisposição genética, a alimentação rica em gorduras e açúcares, o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, diabetes e até alterações na tireoide.

Por isso, a melhor forma de prevenção é adotar uma rotina de atividades físicas, manter uma alimentação saudável e equilibrada, além de manter os exames de sangue em dia.

Isso porque, já que não é possível identificar os sintomas do colesterol alto, é imprescindível realizar exames laboratoriais frequentemente. Só assim é possível identificar se há alguma alteração ou não nesses níveis.

Como é feito o diagnóstico?

Como não existem sintomas do colesterol alto visíveis e claros, a melhor maneira de diagnosticá-lo é através do exame de sangue.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Cardiologia, o nível de colesterol no sangue é considerado normal quando se mantém até 190 mg/dI para o colesterol total e 130 mg/dI para o colesterol LDL (ruim) em pessoas que são consideradas de baixo risco.

Lembrando que o bom colesterol, conhecido como HDL, não pode ficar abaixo de 40 mg/dI. Afinal, ele age como um importante antioxidante e auxilia na saúde do intestino e no reparo das células.

Conte com o Laboratório Vozza para os cuidados com a sua saúde

Então, agora que você já sabe mais sobre o colesterol e entende por que é muito importante realizar seus check-ups regularmente, conte com um laboratório de confiança como o Vozza  para manter sua saúde sempre em dia. Agende seu exame!

Exames para câncer de mama: do diagnóstico ao tratamento

Em diferentes etapas, os exames para câncer de mama são imprescindíveis para auxiliar no cuidado com a saúde do paciente. Saiba mais sobre eles!

Em um mês especialmente dedicado ao Outubro Rosa, não poderíamos deixar de falar sobre um dos cânceres mais comuns entre as mulheres: o de mama. Além da mamografia e do autoexame, existem outros exames para câncer de mama que são importantes para o diagnóstico e os cuidados com a doença independentemente do estágio em que ela se encontra.

Por exemplo, alguns desses exames são utilizados para o controle da doença. Assim, além de serem importantes nos primeiros estágios do câncer de mama, eles também podem ser úteis para monitorar o avanço ou o retrocesso da doença.

Veja mais sobre esses tipos de análises a seguir.

Exames para câncer de mama: o diagnóstico

O diagnóstico do câncer de mama é baseado no exame físico (palpação da mama), que pode ser feito pelo médico e pela própria pessoa. Após essa primeira etapa, o ultrassom de mama e uma biópsia também podem ser solicitados.

No entanto, essa fase pode ser acompanhada de outros exames complementares. Assim, o médico pode solicitar exames laboratoriais para avaliar outras funções do corpo, como o hemograma, exames de colesterol e triglicerídeos, coagulação etc.

Esses exames para câncer de mama vão auxiliar na obtenção de um diagnóstico mais preciso e um tratamento ainda mais eficaz.

Exames laboratoriais para detectar câncer de mama: marcadores tumorais

Outras análises que podem ser solicitadas durante o diagnóstico e até mesmo o tratamento desses tipos de câncer são os exames de marcadores tumorais.

Eles medem a dosagem de algumas substâncias produzidas por tumores. Dessa forma, servem para que o médico avalie o estado do câncer e escolha a terapia adequada.

Veja alguns tipos de marcadores tumorais:

CA 15.3

Pode-se dizer que o CA 15.3 é considerado o mais sensível e específico quando se trata do câncer de mama. Quando associado a outros marcadores, como é o caso do CEA, serve para avaliar como será realizado o tratamento.

Entretanto, mesmo após o tratamento, caso o CA 15.3 esteja elevado, pode indicar que o câncer voltou ou há formação de uma nova lesão tumoral.

CEA

O Antígeno Carcinoembrionário (CEA) é uma proteína encontrada em pequena quantidade no sangue de pessoas saudáveis. Porém, ela pode aumentar indivíduos que tenham o câncer de mama. Muitas vezes, esse aumento também pode sugerir que o atual tratamento indicado não está apresentando melhoras para o paciente.

CA 125

A proteína CA 125 é produzida por inúmeras células, principalmente pelas células do câncer de ovário. Apesar de ser mais solicitado para este tipo de câncer, esse exame é indicado também para o de mama, pois esse tipo também pode provocar o aumento dessa proteína no sangue.

CA 27-29

Normalmente, este exame apresenta uma grande sensibilidade para a detecção precoce de reincidência do câncer de mama. Em alguns casos, este pode ser considerado ainda mais específico que o CA 15-3 para essa finalidade.

Conte com o Laboratório Vozza para realizar seus exames

Agora que você já sabe o quão importantes são os exames para o câncer de mama, saiba que, além de abraçar essa causa, o Laboratório Vozza também realiza alguns desses exames que podem auxiliar nos diversos estágios da doença.

Acesse nosso site e conheça nossos exames.

Obesidade: causas, sintomas e tratamento

Considerada uma epidemia mundial, essa é uma doença que tem preocupado a população e as organizações de saúde. Venha entender mais sobre ela!

Dia 14 de outubro é considerado o Dia Nacional da Prevenção à Obesidade. No Brasil, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), estima-se que mais de 50% da população, atualmente, sofra com ela ou com o sobrepeso.

E engana-se quem pensa que são só os adultos que podem desenvolver esse problema! As pesquisas revelaram também que cerca de 15% das crianças estão acima do peso.

Por esses motivos, você sabia que doença chegou a ser considerada um dos maiores problemas de saúde pública do mundo? Logo, adotar medidas preventivas para reverter esse quadro é algo extremamente necessário.

Nesta matéria te explicaremos tudo sobre ela: os sintomas, a prevenção, o diagnóstico e o tratamento. Confira!

Mas afinal, o que é a obesidade?

A obesidade é considerada uma doença crônica, causada por diferentes fatores, e que se caracteriza pelo acúmulo de gordura no corpo.

Na maioria das vezes, ela pode acabar desencadeando outros problemas graves de saúde como o câncer, a hipertensão arterial, as doenças cardiovasculares, a apneia do sono e até a diabetes tipo 2.

Sintomas

Não são só as roupas mais apertadas ou a silhueta maior que indicam que uma pessoa está acima do peso.

Esteja atento também a outros sinais que acompanham o excesso de peso, como sono excessivo durante o dia, dores articulares (principalmente na coluna e nas pernas), cansaço físico, suor exagerado, refluxo e dificuldade para andar. Se apresentar um deles, é bom tomar cuidado e procurar ajuda!

Fatores que causam obesidade

Ela pode ser causada por inúmeros fatores. Dentre eles estão a predisposição genética, as dietas ricas em gordura, a falta de atividades físicas e as alterações endócrinas (como o hipotireoidismo).

Diagnóstico

 Normalmente, é feito através do cálculo do Índice de Massa Corporal (IMC), que consiste em dividir o peso (em Kg) da pessoa pela sua altura (em metros) ao quadrado.

Segundo a OMS, quando o resultado está entre 25,0 e 29,9 kg/m2, existe sobrepeso. Acima desse valor, pode-se dizer que há um quadro de obesidade. Por isso, consulte um profissional de saúde para avaliar esse e outros índices. Só ele poderá diagnosticar a doença corretamente.

Além disso, um check-up tradicional de exames de sangue feitos em um laboratório de confiança como o Vozza, por exemplo, colaboram para o diagnóstico das doenças associadas.

Prevenção

Não adianta: as melhores formas para combater a obesidade é adotar um estilo de vida mais saudável.

Entre essas medidas estão, por exemplo, uma menor ingestão de calorias e a pratica de atividades físicas diariamente. Vale lembrar também que essas mudanças não só provocam uma redução de peso, como também irão contribuir com a sua saúde como um todo.

Conte com o Laboratório Vozza para manter sua saúde em dia

Agora que você entendeu mais sobre a obesidade, conte com o Laborátorio Vozza para realizar os seus exames médicos. Essa é uma boa maneira de manter sua saúde sempre em dia. Converse com seu médico, acesse o nosso site e agende um horário!

Exame médico periódico: quando deve ser realizado?

Exame médico periódico

É certo que todos os colaboradores de uma empresa já tiveram que realizar o exame médico periódico. Mas quando ele deve ser realizado? Saiba tudo aqui!

Durante todo o período em que um colaborador permanece em uma empresa, é muito importante que sua saúde física e mental seja avaliada. Você sabia? E para isso, um exame médico periódico é fundamental.

Esse cuidado das empresas garante a integridade e a qualidade do trabalho que vem sendo prestado pelo funcionário. Afinal, com a saúde em dia, a rotina se torna mais leve e produtiva.

Então, se você quiser entender mais sobre o assunto, este texto é para você.

O que é um exame médico periódico?

O exame médico periódico é uma exigência legal do Ministério do Trabalho. Serve para avaliar se houve ou não alguma mudança na saúde de um colaborador, após algum tempo exercendo a atividade para qual foi contratado.

Qual é a importância do exame médico periódico?

O principal objetivo do exame médico periódico, como vimos, é proteger o colaborador. Ele é importante para prevenção e diagnóstico precoce das doenças ocupacionais. Ou seja, é uma ótima oportunidade para cuidar da saúde de todos de forma preventiva, além de realizar algumas adaptações no ambiente, caso seja necessário.

Com qual frequência deve ser realizado?

Normalmente, o intervalo estabelecido para a realização de um exame médico periódico pode variar de uma empresa para outra. Mas via de regra, poderá ser semestral, anual ou bienal – tudo dependerá do tipo de atividade e de fatores de risco aos quais o colaborador está exposto ao desempenhar sua função.

 Quais procedimentos são adotados no exame?

 No geral, os procedimentos são bastante simples. Em primeiro lugar, o colaborador preencherá uma ficha informando todas as doenças recentes e antigas que teve. Depois, ele passará por uma avaliação médica.

No entanto, como o exame médico periódico está relacionado ao risco que o trabalho oferece, pode-se pedir alguns procedimentos completares. Entre eles estão os exames laboratoriais, capazes de avaliar o impacto que a atividade exerce sobre a saúde do colaborador.

Abaixo estão alguns tipos de exames complementares mais comuns. Veja só:

  • Audiometria

É um exame realizado para detectar possíveis falhas ou perda de audição. É indicado para os colaboradores que exercem atividades em locais com pressão sonora (ruídos) acima do permitido.

  • Acuidade visual

Serve para identificar se o colaborador apresenta algum distúrbio na visão que pode provocar danos a si, aos seus colegas de trabalho ou a empresa.

  • Exames laboratoriais

Por último, os exames laboratoriais são aqueles realizados em laboratórios de análises clínicas. Por exemplo, os exames de sangue ou urina.

Eles podem identificar alguma doença ou outros problemas de saúde. A solicitação irá depender dos riscos aos quais os colaboradores estão expostos em sua rotina de trabalho.

E, para isso, um laboratório de confiança é essencial, não é mesmo? Então, conte com o Vozza!

Conte com o Laboratório Vozza para um atendimento corporativo

Sabia que o Laboratório Vozza oferece atendimento corporativo? Nossos objetivos são agilizar o processo da saúde no ambiente da sua empresa e facilitar seu dia a dia.

Para isso, realizamos exames admissionais, periódicos ou demissionais diretamente na sua organização. Também temos uma tabela especial de preços e faturamento dos exames.

Então, entre em contato conosco.

Rinite alérgica sazonal: dicas para prevenir

Entre as trocas de estação, os casos de rinite alérgica sazonal costumam aumentar bastante. Então, os cuidados com a saúde são imprescindíveis. Veja como se cuidar!

O período de transição entre o inverno e a primavera normalmente é marcado pela rinite alérgica sazonal. E quem sofre com ela sabe o quanto isso é ruim! Assim como outros tipos de alergias e rinites, ela é caracterizada pela inflamação no nariz devido à exposição a alérgenos como a poeira, o mofo, fumaça de cigarro, ácaros e pólen.

Em específico na primavera, os casos são ainda mais comuns. Afinal, é quando o pólen transportado pelo ar está em maiores níveis na atmosfera por causa da intensa florescência das árvores e da polinização das plantas.

Para você que convive com a rinite alérgica sazonal, saiba como se cuidar para ficar tranquilo durante essa estação. Anote as dicas a seguir:

                 Rinite alérgica sazonal: veja 5 dicas para se prevenir!

  • Arcondicionado

 O ar-condicionado em temperatura ambiente pode ser um bom aliado contra a rinite alérgica sazonal, sabia? Isso porque ele retém as partículas de poeira e pólen em seu filtro, o que ajuda a criar uma barreira de proteção no ambiente. Se possível, utilize também um umidificador, assim você evita que o ar seco prejudique ainda mais a situação!

  • Elimine os ácaros

Mantenha a casa, em especial os armários, sempre seca, limpa e arejada. Essa é uma boa solução para acabar com a proliferação de ácaros e, consequentemente, evitar a rinite alérgica sazonal. Lembre-se: eles se alimentam dos restos de pele que se misturam à poeira e gostam de ambientes quentes e úmidos, por isso tente eliminar essas possibilidades!

  • Troque as roupas de cama

 Por falar em ácaros, roupas de cama como lençóis, travesseiros e cobertas são lugares perfeitos para eles. Por essa razão, é muito importante trocar e lavar a roupa de cama com água quente ao menos uma vez na semana, certo?

  • Evite aromas fortes

 Perfumes e produtos químicos, como os de limpeza, por exemplo, costumam ter um cheiro muito forte, o que pode agravar uma crise de rinite alérgica sazonal. Por este motivo, prefira aqueles com aromas mais neutros e suaves.

  • Higiene

 Por último, uma dica que parece muito simples, mas que ajuda e muito: lave o nariz com frequência, usando soro fisiológico. O líquido limpa as impurezas e reduz os efeitos da poeira e do pólen que estão no ar, ajudando a evitar a tão temida rinite.

Como saber se estou com rinite alérgica sazonal?

Todas as dicas acima ajudam a prevenir as crises alérgicas, não é verdade? Mas antes é muito importante que você conheça as causas dessa e de outras alergias. Só assim você poderá ter um tratamento adequado!

Uma das maneiras de descobrir isso é através dos exames laboratoriais.

Caso não seja possível realizar o teste cutâneo, que pode apresentar uma reação alérgica grave, os exames de sangue especiais são uma boa alternativa. Eles medem os níveis de substâncias específicas relacionadas às alergias, principalmente a imonuglobulina E (IgE), um anticorpo produzido pelo organismo para combater os alérgenos.

 

Conte com o Laboratório Vozza para os

exames de detecção da rinite alérgica sazonal

Gostou das nossas dicas? Agora que você sabe como prevenir a rinite alérgica e como é feito o diagnóstico, conte com o Laboratório Vozza para realizar todos os seus exames.

Saiba mais sobre os tipos de exames que realizamos e veja como agendar seu horário.